Engenharia da Computação em 2024: tudo que você precisa saber

A faculdade de Engenharia da Computação ganha destaque na era digital, em que novas tecnologias surgem diariamente. Ela cria a oportunidade de uma carreira promissora e é fundamental para a construção do nosso futuro.

Por esse motivo, é importante considerar como ir em busca de uma formação de qualidade, já que a instituição de ensino superior (IES) escolhida pode influenciar, e muito, a trajetória de um profissional.

Preparamos este post para trazer um panorama sobre essa área tão promissora e mostrar por que a Anhanguera tem chamado atenção nesse cenário. Boa leitura!

Como é o curso de Engenharia da Computação?

A faculdade Engenharia da Computação conta com disciplinas relacionadas a hardware e software — ou seja, não se limita às linhas de código. Na prática, isso quer dizer que o curso aborda os componentes físicos das máquinas (como computadores, dispositivos e circuitos), além dos sistemas que os movem. É por isso que se diz que há uma formação em Engenharia de Hardware e Software.

No decorrer da graduação, os estudantes têm contato com matérias desafiadoras e interessantes. Arquitetura de computadores, por exemplo, decifra o funcionamento interno das máquinas. Já Circuitos Digitais leva os alunos ao mundo dos chips e processadores. Não podemos esquecer da Programação. Com ela, os conceitos de lógica e solução de problemas são constantemente explorados.

A diversidade de tópicos desse curso universitário é surpreendente. Você já imaginou integrar conhecimentos de engenharia eletrônica com algoritmos avançados? Nessa graduação, isso é possível. Assim, o curso não é apenas sobre saber programar, e sim sobre compreender a essência das máquinas.

A parte prática não pode ficar de fora. As instituições modernas e que se preocupam em oferecer um ensino acadêmico de excelência são equipadas com laboratórios de última geração. Assim, a teoria logo encontra aplicação. Com isso, os estudantes se engajam em projetos inovadores desde o início do curso, o que faz toda a diferença na capacitação e, consequentemente, na vida profissional.

Além disso, há um ponto interessante: a intersecção com outras áreas, como robótica e aplicações médicas, já que a Engenharia da Computação oferece essa versatilidade.

Quanto ao mercado, empresas de tecnologia e software, grandes e pequenas, competem por talentos. Com a digitalização, a demanda cresce e as oportunidades se multiplicam. E não só em empresas tradicionais. As startups de tecnologia, por exemplo, buscam inovação — e os engenheiros da computação estão no centro disso.

No entanto, a graduação na área é um caminho árduo e a dedicação deve ser uma constante. E o aluno deve ter a curiosidade aflorada para estar sempre em busca de novos desafios em sua jornada acadêmica.

Quais são os tipos de graduação em Engenharia da Computação?

Os principais tipos de graduação em Engenharia da Computação são Bacharelado, Licenciatura e Tecnólogo. Confira mais informações a seguir, até mesmo para não correr o risco de confundir o curso com o de Engenharia de Sistemas.

Bacharelado em Engenharia da Computação

No bacharelado em Engenharia da Computação há um equilíbrio entre hardware e software, o que abrange circuitos eletrônicos, Inteligência Artificial, algoritmos — só para citar alguns exemplos. Ao final, a recompensa é uma compreensão abrangente do universo da computação.

Licenciatura em Engenharia da Computação

A Licenciatura em Engenharia da computação possui disciplinas voltadas para a engenharia e pedagogia, que ajuda a formar professores. A princípio, pode ser desafiador estudar o mundo digital junto de matérias sobre ensino e educação, mas as possibilidades de carreira podem ser recompensadoras.

Tecnólogo em Engenharia da Computação

O Tecnólogo em Engenharia da Computação é a opção ideal para quem busca concluir a formação em menos tempo. Isso porque, em um período de três anos, você aprende as habilidades mais demandadas do mercado. Outro diferencial do tecnólogo é o foco na prática, o que permite um salto mais rápido para o mundo profissional.

Cada caminho apresenta inúmeras oportunidades. E o desafio é escolher o mais adequado ao seu perfil e aos seus objetivos profissionais.

O curso de Engenharia da Computação é bom?

Sim, o curso de Engenharia da Computação é bom, uma vez que combina conteúdos da ciência da computação e da engenharia elétrica. No entanto, é muito importante verificar junto à instituição acadêmica escolhida se há aprovação dos órgãos reguladores, principalmente o Ministério da Educação. Confira mais sobre isso a seguir.

Aprovação do MEC

O curso de Engenharia da Computação é reconhecido pelo Ministério da Educação. O MEC atua como árbitro nacional para aprovação dos cursos e das instituições capazes de ofertar a graduação. A sua aprovação carrega um peso significativo e por uma razão substancial: ele faz uma análise minuciosa das instituições.

A infraestrutura, por exemplo, passa pelo crivo detalhado. Nessa avaliação, o estado dos laboratórios e das bibliotecas contam muito. E não podemos nos esquecer do corpo docente, que tem um peso grande na avaliação do órgão. Dessa forma, a qualificação dos professores é avaliada com rigor.

A grade curricular também é considerada. Afinal, a tecnologia avança a passos largos, e o currículo deve acompanhar as tendências. Por isso, o MEC verifica se o que é ensinado reflete as necessidades e tendências atuais do mercado.

Se uma faculdade de Engenharia da Computação recebe o selo de aprovação do MEC, isso é um indicativo robusto de sua qualidade. Ou seja, é uma garantia de que ele não apenas atende, mas, em muitos casos, supera os padrões estabelecidos.

Mas lembre-se: a aprovação do MEC é apenas um dos indicadores. Conversar com ex-alunos, visitar a instituição e analisar o sucesso de seus graduados no mercado também são passos valiosos para avaliar se, de fato, o curso de Engenharia da Computação é “bom”.

Qual o perfil ideal do aluno de Engenharia da Computação?

A perfil ideal para estudantes da faculdade de Engenharia da Computação é de alunos com bom raciocínio lógico, capacidade de aprendizagem e olhar atento. Além disso, curiosidade, resiliência, organização e colaboração são qualidades muito importantes para quem quer trilhar carreira na área.

A seguir, vamos explorar algumas características que tendem a estar presentes entre os estudantes que mais se destacam nesse curso.

Personalidade

É importante entender as habilidades e traços comportamentais que encontramos com facilidade nos alunos desse curso:

  • raciocínio lógico — mais do que um simples talento, ter essa habilidade é uma necessidade para bons engenheiros da computação. Diante das informações e desafios que a área apresenta, quem tem um raciocínio lógico apurado consegue não apenas identificar, mas também traçar caminhos eficientes para resolução de problemas;
  • curiosidade — em um mundo tecnológico, em que as novidades surgem a cada piscar de olhos, ser curioso é fundamental. Questionar, explorar e buscar o desconhecido tornam o profissional atualizado e pronto para inovações;
  • capacidade de aprendizado — com o ritmo acelerado das transformações, é vital que o engenheiro se adapte e aprenda rapidamente. Não se trata apenas de absorver, mas de integrar novos conhecimentos à prática;
  • colaboração — um projeto pode envolver diversos profissionais, cada um com sua expertise. A capacidade de trabalhar em equipe, ouvir e integrar ideias é, portanto, uma competência inestimável;
  • olhar atento — na área da computação, os detalhes são cruciais. Afinal, uma linha de código ou um componente mal colocado pode comprometer um projeto inteiro. Esse olhar aguçado minimiza erros e otimiza resultados;
  • organização temporal — com tantas demandas, gerir o tempo se torna uma arte. Planejar, priorizar e executar são etapas que, bem gerenciadas, garantem o sucesso das entregas;
  • resiliência — os desafios são constantes, mas a capacidade de superá-los e aprender com eles é o que diferencia um profissional comum de um excepcional.

Assim, ao conhecer vasto campo da Engenharia da Computação, essas competências e traços são os pilares que sustentarão uma carreira de sucesso. Esse equilíbrio entre técnico e comportamental se mostra, portanto, indispensável.

Para saber se esse curso é indicado para você, o teste vocacional é uma ferramenta muito útil. Afinal, ele ajuda a identificar traços de personalidade e aptidões que se alinham bem com a Engenharia da Computação. Os resultados, muitas vezes, revelam uma inclinação para lógica, resolução de problemas e pensamento analítico.

Rotina de estudos

A rotina de estudos de quem cursa Engenharia da Computação envolve participar de aulas, projetos e, claro, dar conta da vida pessoal. Por isso, é preciso adotar uma rotina de estudos robusta, com método e consistência.

Você pode estabelecer horários fixos e se dedicar a tópicos complexos com mais frequência. Além disso, se engajar em grupos de estudos é essencial. A troca de ideias, a divisão de tarefas e a inovação colaborativa criam um ambiente rico para o aprendizado.

Quais as modalidades de estudo para Engenharia da Computação?

As modalidade de estudo para Engenharia da Computação são EAD (Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial (a modalidade a distância com atividades presenciais). Confira mais sobre cada uma a seguir, já que a escolha certa pode influenciar diretamente o seu aprendizado e, consequentemente, sua futura carreira.

Engenharia da Computação EAD

A graduação em Engenharia da Compuptação EAD dá a liberdade de estudar no horário que preferir e de onde quiser. Alguns consideram essa modalidade um sonho, principalmente para aqueles que lidam com rotinas atípicas.

Contudo, algumas questões pairam: “E os laboratórios?”. E aqui está o surpreendente: as universidades têm investido pesadamente em plataformas interativas, garantindo simulações que desafiam a realidade. Dessa forma, o aprendizado se mantém robusto. Por outro lado, disciplina e autogestão são cruciais.

Engenharia da Computação Presencial

A vantagem dessa modalidade de estudos para Engenharia da Computação é a interação. Existe contato pessoal com docentes e colegas, centros de inovação tecnológica e laboratórios físicos. Assim, é possível frequentar eventos acadêmicos, seminários e aulas práticas. Para os que buscam uma imersão completa na faculdade de Engenharia da Computação, essa é a escolha ideal.

Engenharia da Computação Semipresencial

A modalidade semipresencial de Engenharia da Computação é a modalidade a distância, com atividades presenciais. Em outras palavras, algumas disciplinas são oferecidas online, permitindo flexibilidade. Já outras requerem sua presença no campus. É um híbrido que tenta capturar o melhor de ambos os mundos.

Quem se beneficia são aqueles que buscam flexibilidade, mas sem abrir mão do contato humano e das experiências práticas.

Qual é a duração e quais são as matérias do curso de Engenharia da Computação?

A faculdade de Engenharia da Computação dura cerca de 5 anos, divididos em 10 semestres letivos. Ela é composta por disciplinas que abordam desde conceitos básicos até avançados. A seguir, apresentamos as principais.

1º semestre

  • Desenho Técnico Projetivo;
  • Química e Ciência dos Materiais;
  • Algoritmos e Lógica de Programação;
  • Optativa I.

2º semestre

  • Cálculo Diferencial e Integral;
  • Física Geral e Experimental — Mecânica;
  • Legislação, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente;
  • Optativa II.

3º semestre

  • Cálculo Diferencial e Integral II;
  • Física Geral e Experimental — Energia;
  • Engenharia, Ciência e Tecnologia;
  • Princípios de Eletricidade e Magnetismo;
  • Projeto de Extensão I – Engenharia da Computação.

4º semestre

  • Fenômenos de Transporte;
  • Cálculo Diferencial e Integral III;
  • Pensamento Analítico e Análise de Dados;
  • Resistência dos Materiais.

5º semestre

  • Arquitetura e Organização de Computadores;
  • Modelagem de Dados;
  • Eletrônica Analógica;
  • Métodos Matemáticos;
  • Projeto de Extensão II — Engenharia da Computação.

6º semestre

  • Circuitos Elétricos;
  • Algoritmos e Estrutura de Dados;
  • Linguagens Formais e Autômatos;
  • Design Thinking e Inovação dos Modelos de Negócios;
  • ESG — Ambiental, Social e Governança na Engenharia;
  • Linguagem Orientada a Objetos;
  • Sistemas Digitais e Microprocessadores.

7º semestre

  • Redes de Computadores;
  • Engenharia de Software;
  • Análise e Processamento de Sinais;
  • Programação em Banco de Dados;
  • Algoritmos e Estrutura de Dados Avançado;
  • Compiladores;
  • Computação Gráfica e Processamento de Imagens;
  • Projeto de extensão III — Engenharia da Computação.

8º semestre

  • Sistemas Operacionais;
  • Desenvolvimento em Javascript;
  • Fundamentos da Inteligência Artificial;
  • Arquiteturas Paralelas e Distribuídas;
  • Sistemas Distribuídos;
  • Sistemas Embarcados;
  • Sociedade Brasileira e Cidadania;
  • Estágio Curricular.

9º semestre

  • Segurança da Informação e de Redes;
  • Internet das Coisas e Indústria 4.0;
  • Projeto de Extensão IV — Engenharia da Computação;
  • Trabalho de Conclusão de Curso.

10º semestre

  • Optativa III;
  • Optativa IV;
  • Optativa V.

Quais são as possibilidades de especialização em Engenharia da Computação?

As possibilidades de especialização em Engenharia da Computação são inúmeras, desde segurança até análise de dados. Veja algumas opções que pode fazer depois de receber o diploma:

  • Cibernética e Robótica — aborda soluções importantes da era robótica, como dispositivos que interagem de maneira mais harmônica e intuitiva com o ambiente ao redor;
  • Redes Neurais e Inteligência Artificial — está relacionada às soluções de IA e suas operações, como chatbots, reconhecimento de padrões e aprendizado de máquina.
  • Segurança Cibernética: — buscando a proteção de dados na era digital, a segurança cibernética tem se tornado uma prioridade nas empresas;
  • Computação em Nuvem e Big Data visa a desenvolver soluções em nuvem, juntamente com Big Data;
  • Sistemas Embarcados — relaciona-se ao modo de funcionamento de dispositivos do dia a dia, como carros e eletrodomésticos, por isso, os profissionais dessa área são constantemente buscados pela indústria;
  • Conectividade e Redes de Comunicação — com a chegada da Internet das Coisas (IoT), os engenheiros especializados em redes estão no centro dessa revolução;
  • Hardware e Design de Circuitos — visa a criação e otimização de circuitos requerem conhecimento aprofundado e habilidade;
  • Redes de Computadores — nessa área, profissionais trabalham para garantir a segurança e a otimização de conexões, garantindo uma carreira versátil e em constante evolução;
  • Desenvolvimento de Software — imagine poder criar ferramentas do zero. Nessa área, o engenheiro se torna um arquiteto de programas, dando vida a soluções digitais para problemas variados;
  • Engenharia de Sistemas — a engenharia de sistemas é onde componentes individuais ganham coerência, resultando em sistemas funcionais;
  • Interfaces Homem-Máquina — entre telas e toques, essa especialização foca em como interagimos com a tecnologia. Com isso, a experiência do usuário é aprimorada, tornando a interação fluida e intuitiva;
  • Computação Gráfica — por trás das animações hipnotizantes e designs impressionantes, encontramos a computação gráfica. Esse campo se dedica a transformar pixels em arte;
  • Bioinformática — quando computadores e células dialogam, surge a bioinformática. Aqui, dados biológicos são interpretados por meio de algoritmos, oferecendo insights preciosos sobre a vida;
  • Realidade Virtual e Aumentada — não apenas um jogo, mas um portal para outras realidades. Com a junção de tecnologia e criatividade, novos mundos são descortinados;
  • Computação Quântica nesse campo, a natureza quântica dos átomos é explorada para realizar cálculos. Com isso, novos horizontes são abertos em velocidade e capacidade computacional;
  • Engenharia de Requisitos antes de qualquer código, existe a necessidade. Assim, entender e mapear esses desejos se torna crucial para soluções precisas e funcionais;
  • Gestão de Projetos em TI — é onde a técnica encontra a liderança. Gerir pessoas, recursos e tempo é tão vital quanto o próprio desenvolvimento, assegurando que projetos sejam entregues com excelência;
  • Engenharia de Usabilidade — usar deve ser simples. Portanto, esse campo se dedica a tornar interfaces amigáveis, intuitivas e acessíveis para todos os usuários;
  • Arquitetura de Sistemas — o arquiteto de sistemas garante que todos os componentes tecnológicos atuam corretamente, otimizando desempenho e eficiência.

Em resumo, a faculdade de Engenharia da Computação oferece um campo vasto e fascinante. Há uma infinidade de caminhos a serem explorados.

Quais são as principais áreas para recém-formados?

As principais áreas para recém-formados em Engenharia da Computação são Ciência de Dados e IA, Desenvolvimento de Software, Segurança Cibernética e Redes e Infraestrutura Cloud.

Se você quer ser absorvido pelo mercado de trabalho quando terminar a graduação, é importante entender um pouco mais sobre principais áreas em que você pode atuar. Acompanhe!

  • Ciência de Dados e Inteligência Artificial: imagine um mundo impulsionado por dados. É isso! A ciência de dados é crucial. Desvendar padrões e fornecer insights valiosos é a chave. Inteligência Artificial entra nessa dança, possibilitando desde assistentes virtuais até diagnósticos médicos avançados. Dessa forma, essas competências são altamente procuradas.
  • Desenvolvimento de Software: programar não sai de moda. Afinal, software é a espinha dorsal da tecnologia moderna. Com isso, desenvolvedores com uma sólida compreensão de algoritmos e estruturas de dados estão em alta. Além disso, ter habilidades em linguagens emergentes pode dar vantagem competitiva;
  • Segurança Cibernética: ataques digitais aumentam a cada dia. Por isso, proteger sistemas e informações tornou-se uma prioridade máxima. Com o avanço das ameaças, a demanda por profissionais qualificados em segurança cibernética cresce exponencialmente. E esse campo é uma aposta segura para carreiras longevas.
  • Redes e Infraestrutura Cloud: a nuvem é o presente e o futuro. Por isso, muitas empresas estão migrando para soluções baseadas na cloud. Com isso, habilidades em design, implementação e gestão de redes são valiosas. E manter sistemas em funcionamento e otimizar para um melhor desempenho são desafios constantes.

É melhor ingressar na faculdade pública ou privada?

Saber escolher entre a faculdade pública ou privada para Engenharia da Computação depende do objetivo do estudante. A faculdade pública é gratuita e oferece alguns dos melhores cursos de Engenharia da Computação. No entanto, deixa a desejar quando o assunto são instalações. Já a faculdade privada prevê o pagamento de mensalidades, mas ganha em relação a laboratórios de ponta.

Continue com a leitura para conferir mais algumas diferenças e tomar a melhor decisão.

Faculdade pública

É notório que, frequentemente, as faculdades públicas têm o reconhecimento e o prestígio de Institutos de Pesquisa em Ciência da Computação e inovações. Além disso, costumam ser gratuitas, o que se torna a opção ideal para quem não pode pagar mensalidades.

O corpo docente é, muitas vezes, composto por profissionais altamente qualificados. São pesquisadores, doutores e mestres comprometidos com a excelência.

No entanto, a estrutura física pode deixar a desejar, como a presença de prédios antigos e de laboratórios que precisam de atualização. Além disso, o ingresso é ultracompetitivo.

Faculdade privada

Diferentemente das faculdades públicas, as particulares que oferecem a graduação em Engenharia da Computação preveem o pagamento de mensalidades. Contudo, muitas oferecem bolsas e financiamentos, o que reduz a barreira financeira.

A infraestrutura geralmente é moderna e atualizada, com laboratórios de circuitos eletrônicos de ponta, salas confortáveis e parcerias com grandes empresas tech. A experiência também pode ser mais personalizada, com classes menores e um atendimento ao aluno que é um grande diferencial.

No entanto, algumas instituições podem deixar a desejar quanto à formação, o que torna necessário pesquisar bastante. Você pode, por exemplo, analisar a nota no MEC, os depoimentos das associações de alunos e o corpo docente. Tudo isso é crucial para escolher um bom curso de Engenharia da Computação.

Entre optar por faculdades públicas ou privadas, não existe resposta certa. Alguns dirão que a renomada universidade pública é imbatível. Outros, por outro lado, defenderão a experiência diferenciada das particulares. Ambas têm seus méritos, seus prós e contras.

Quanto custa a graduação em Engenharia da Computação?

Dependendo da modalidade escolhida, o valor do curso de Engenharia da Computação pode variar entre R$ 599,00 a R$ 4.500,00. Além disso, muitas instituições de ensino oferecem bolsas de estudo integrais ou parciais.

Bolsa de Estudos 

A bolsa de estudos para Engenharia da Computação, em geral, é concedida para estudantes que comprovem que a renda familiar é insuficiente para arcar com os custos de uma graduação. Para ter acesso a ele, é importante ter atenção aos prazos estabelecidos pelas instituições de ensino.

Em alguns casos, é feito um seletivo que pode ser tanto por meio da aplicação de uma prova de conhecimentos quanto por meio de uma análise curricular. Seja qual foi a situação, você deve se preparar e reunir a documentação necessária para concorrer às bolsas.

Além disso, existem bolsas concedidas por agências de fomento, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), agência vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que tem a missão de:

“fomentar a Ciência, Tecnologia e Inovação e atuar na formulação de suas políticas, contribuindo para o avanço das fronteiras do conhecimento, o desenvolvimento sustentável e a soberania nacional”. CNPq

Como entrar em Engenharia da Computação?

Para entrar na faculdade de Engenharia da Computação, você deve participar de um processo seletivo que pode ser Enem, Sisu ou vestibular. Cada instituição define qual será o tipo de prova aplicada e você deve obter uma pontuação superior à nota de corte para ter maiores chances de ter a sua candidatura aprovada. Veja as principais modalidades!

Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio, ou ENEM, é uma porta para muitos estudantes. Com uma boa nota, surgem várias oportunidades. Uma dessas é o Prouni. Dessa forma, alunos com renda familiar baixa podem conseguir bolsas de estudo, integrais ou parciais, em instituições privadas. Com isso, o sonho de fazer uma faculdade de Engenharia da Computação se torna mais palpável.

Segundo o MEC:

“Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da escolaridade básica. Podem participar do exame alunos que estão concluindo ou que já concluíram o ensino médio em anos anteriores. O Enem é utilizado como critério de seleção para os estudantes que pretendem concorrer a uma bolsa no Programa Universidade para Todos (ProUni). Além disso, cerca de 500 universidades já usam o resultado do exame como critério de seleção para o ingresso no ensino superior, seja complementando ou substituindo o vestibular”.

Sisu

O Sisu é outra alternativa incrível. Por meio do Sistema de Seleção Unificada, muitos se lançam em universidades públicas. Essas instituições, renomadas, oferecem cursos de alta qualidade em Engenharia da Computação. Quando você realiza o Enem, pode usar sua nota para concorrer a uma vaga. Além disso, o processo é online, rápido e abrange todo o Brasil. Ou seja, com dedicação e uma boa estratégia, as portas se abrem.

De acordo com o Ministério da Educação:

“O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) reúne em um sistema eletrônico gerido pelo MEC as vagas ofertadas por instituições públicas de ensino superior de todo o Brasil, sendo a grande maioria delas ofertada por instituições federais (universidades e institutos). O sistema executa a seleção dos estudantes com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Até o limite da oferta das vagas, por curso e modalidade de concorrência, de acordo com as escolhas dos candidatos inscritos, eles são selecionados por ordem de maior classificação, em cada uma das duas edições anuais do Sisu”.

Vestibular

Muitas universidades usam o vestibular como modelo de seleção para o Curso de Engenharia da Computação. Essas provas são específicas para cada instituição, geralmente abordando conteúdos do ensino médio. Para quem tem facilidade em disciplinas específicas, isso pode ser uma vantagem. Dessa forma, estudar o conteúdo proposto, fazer simulados e manter a calma são essenciais. Depois, é só fazer a matrícula.

Todas essas opções são válidas. Portanto, é crucial conhecer seus pontos fortes e definir uma estratégia. Seja pelo Enem, Sisu ou vestibular tradicional, o importante é ter foco e determinação. Afinal, a faculdade de Engenharia da Computação aguarda você com desafios e oportunidades. 

Quais são as exigências para se formar em Engenharia da Computação?

Estágio obrigatório, prova do Enade e Trabalho de Conclusão de Curso são as exigências para se formar em Engenharia da Computação. A seguir, apresentamos mais detalhes sobre cada um desses itens, para que não fiquem dúvidas.

Estágio obrigatório      

O estágio obrigatório é um marco. Durante esse período, o estudante aplica os conhecimentos adquiridos ao longo do curso em um ambiente real de trabalho. Além disso, é uma excelente oportunidade para adquirir experiência prática.

Dessa forma, os alunos não apenas aprendem, mas também contribuem para projetos e soluções de empresas e organizações. E, é claro, o número de horas é definido pela instituição.

Enade

Você já ouviu falar do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade)? Ele avalia o rendimento dos alunos em relação ao conteúdo programático do curso. Além disso, serve para garantir que a formação oferecida esteja em conformidade com as diretrizes do MEC. Com isso, os resultados influenciam na qualidade e credibilidade do curso perante a sociedade. Ou seja, é bem importante!

De acordo com o Inep:

“O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) avalia o rendimento dos concluintes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos, o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional, e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial”.

TCC de Engenharia da Computação

O TCC ou Trabalho de Conclusão de Curso para Engenharia da Computação é, na verdade, o resultado de anos de estudo. Aqui, o estudante deve desenvolver um projeto ou pesquisa relevante na área, apresentando soluções inovadoras e aplicáveis ao mercado.

Com orientação de um professor, o TCC é uma chance de mostrar o que você aprendeu. O desafio não é pequeno e é preciso dedicação e paixão pelo que faz.

Ao combinar a teoria com a prática, os futuros engenheiros da computação enfrentam essas três grandes etapas. Cada uma delas, com seus desafios e recompensas. Em suma, é uma jornada incrível e conquistar esse diploma exige esforço, mas, com certeza, a recompensa chega.

Vale a pena se formar em Engenharia da Computação?

Sim, vale a pena se formar em Engenharia da Computação se você procura uma boa remuneração após ser absorvido pelo mercado de trabalho. Isso porque a relação entre o investimento durante a graduação e o retorno obtido após o diploma é excelente.

Confira a seguir detalhes que ajudam a responder a questão.

Salário

Segundo informações do site Glassdoor, a média salarial de um Engenheiro da Computação no Brasil, em 2023, é de R$20.461,00 mensais.

Isso prova que esses profissionais são bem valorizados no mercado de trabalho, especialmente com a crescente demanda por tecnologia. Além disso, quanto mais especializado e experiente, maiores são as chances de conquistar salários ainda mais interessantes.

Porém, há variações de acordo com a região e a especialização. Por isso, vale a pena consultar as informações disponibilizadas pelas Associações de Engenheiros de Computação.

Investimento Vs retorno

Agora, o ponto essencial: qual o investimento versus retorno da graduação em Engenharia da Computação? Fazer uma faculdade requer tempo, dedicação e, na maioria dos casos, um investimento financeiro considerável. Mas e o retorno?

Ao avaliar o cenário atual, percebemos que a Tecnologia da Informação está em tudo. Com isso, a demanda por profissionais capacitados só cresce. Ao ponderar quanto ao investimento inicial (que pode incluir mensalidades, cursos extras, livros etc.) com o potencial retorno (salários atrativos, oportunidades de crescimento e a chance de trabalhar em projetos inovadores), a balança tende a pender positivamente.

Porém, uma ressalva é necessária: paixão. Afinal, dinheiro é importante, sim, mas amar o que se faz é o diferencial. E, se você tem fascínio por tecnologia, soluções criativas e inovação, a faculdade de Engenharia da Computação pode ser o seu chamado.

Por que cursar Engenharia da Computação na Anhanguera?

Infraestrutura, formação dos docentes e preço acessível são os principais fatores que fazem da Anhanguera uma excelente opção para cursar Engenharia da Computação.

No mundo acadêmico, a infraestrutura é muito importante e, nesse quesito, a Anhanguera sai na frente da concorrência. Afinal, você encontra laboratórios modernos, tecnologia de ponta e muito mais. Assim, a prática e a teoria se harmonizam perfeitamente.

Vamos falar de quem faz a mágica acontecer? Os professores. Na Anhanguera, eles não só ensinam, mas realmente vivem a profissão. Mergulhados tanto no mundo acadêmico quanto no prático, trazem experiências reais para a sala de aula. Assim, cada lição vai além do papel.

Claro que pensar nas finanças também é essencial, e a Anhanguera entende isso. Com mensalidades que não assustam e qualidade que impressiona, é difícil não ver o valor de optar por essa instituição. É o melhor que há em termos de equilíbrio entre custo e benefício.

Ao longo deste conteúdo, abordamos como fazer uma faculdade de Engenharia da Computação pode ser uma ótima opção para quem busca uma carreira alinhada com a modernidade e bem-vista no mercado. No curso de Engenharia da Computação, você não apenas adquire habilidades técnicas, mas aprende a inovar, solucionar problemas complexos e encarar desafios tecnológicos que moldam o mundo atual. E, considerando as suas múltiplas facetas, desde as salas de aula bem equipadas até os professores experientes e oportunidades ímpares no mercado, a escolha por uma instituição como a Anhanguera eleva essa experiência a outro nível. Assim, ao ponderar sobre essa graduação, é inegável: e a formação é uma ponte sólida para um futuro brilhante e inovador.

Gostou deste conteúdo? Aproveite para iniciar a sua jornada acadêmica agora mesmo e faça a sua inscrição no vestibular. Até a próxima!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.4 / 5. Número de votos: 7

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Inscreva-se gratuitamente no vestibular online ou use sua nota do Enem para obter bolsas e descontos!