Análise e Desenvolvimento de Sistemas: tudo que você precisa saber sobre o curso

estudante de análise e desenvolvimento de sistemas

Você sabia que 3 em cada 4 empresas pretendem investir em Inteligência Artificial nos próximos anos? E que o investimento em data analytics aumentou em 20% a receita das organizações que o utilizam? Essas são notícias comuns nos portais online e só provam que as carreiras em TI (Tecnologia da Informação) estão a todo vapor.

Entre as graduações de tecnologia que formam profissionais decisivos para o mercado está o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. A formação na área é o que amplia a visão sistêmica dos estudantes e garante bons diferenciais na procura pelos melhores empregos. Porém, antes de embarcar nessa jornada rumo ao sucesso na carreira, é importante se informar com qualidade.

Por isso, preparamos este guia com tudo o que você precisa saber sobre o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas — uma das ofertas de graduação aqui da Anhanguera! Veja também como é o mercado e em quais áreas é possível atuar.

Qual é o objetivo dessa graduação?

Esse é um dos cursos de Desenvolvimento da Anhanguera oferecido no formato de Tecnólogo. A intenção é formar profissionais que possam colaborar na construção, análise, projeção, implementação e manutenção de sistemas e software. O foco da graduação, que também é de nível superior assim como o Bacharelado, é preparar para o mercado de trabalho.

O curso tem base em 4 pilares, para trazer o melhor de cada estudante e aliar esses pontos fortes com as técnicas da profissão:

  • fundamentos: é a parte que envolve toda a lógica das aplicações, com os algoritmos e outros conceitos da Matemática;
  • técnica: engloba as linguagens de programação mais comuns no mercado e a decomposição de problemas, tanto na otimização quanto na modelagem;
  • ferramentas: durante a trajetória profissional, muitos serão os recursos usados para encontrar as soluções ideais de cada produto;
  • cultura: para aplicar as metodologias, frameworks e práticas ágeis na atuação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Isso significa que, além das disciplinas teóricas, você entra em contato com a prática em outras atividades ao longo do curso — mesmo nas modalidades a distância.

Possibilidades de carreira

Por ser uma carreira com um vasto campo profissional, o Tecnólogo oferece a você a possibilidade de segmentar o aprendizado. Assim, você aproveita melhor o período de graduação para dar início à especialização de seu trabalho. Entre as opções disponíveis, estão as seguintes.

DevOps

Os sistemas são produtos que precisam do diálogo de diferentes segmentos para suprir as demandas do cliente, interno ou externo. Para isso, existe o profissional DevOps, que une o conhecimento em desenvolvimento de software com operações e suporte. Tudo isso com entregas ágeis e constantes, tendo como objetivo a satisfação do consumidor.

Desenvolvimento Web

Com novos hábitos de consumo, as pessoas passaram a buscar muitos serviços pela internet. Para ter uma ideia, o faturamento do e-commerce no Brasil deve ultrapassar R$ 110 bilhões em 2020. Isso requer profissionais especialistas em usabilidade, em soluções responsivas, em necessidades dos consumidores e, sobretudo, em segurança. Afinal, é preciso proteger os sites contra possíveis ataques cibernéticos.

Desenvolvimento Mobile

Já pensou em projetar e dar vida a aplicativos e soluções para mobile? Essa carreira atrai muitos profissionais pela demanda no mercado, que vê o uso de smartphones, tablets e smart TVs crescer a cada dia. Nessa especialização, você estuda banco de dados específicos, além das linguagens para Android e iOS.

Desenvolvimento Back-end

Os produtos precisam se adequar à regra de negócio da empresa. O desenvolvedor back-end é o responsável por essa garantia, pensando em todo o bastidor das aplicações que os usuários conseguem visualizar. Nesse cenário, a segurança, os bancos de dados e as integrações fazem parte das prioridades de sua atuação.

Você tem tudo isso na Anhanguera com mensalidades que cabem no orçamento, sem deixar de lado a excelência no ensino. Também oferecemos benefícios a exemplo das bolsas do governo, como do Prouni (Programa Universidade para Todos), além do FIES (Fundo de Financiamento Estudantil) e outras formas de crédito estudantil.

Como a grade curricular é composta?

Se tem curiosidade em saber o que se estuda na faculdade de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, este é o momento! Para que você se torne o profissional de que as empresas precisam, deve conhecer desde a base da lógica de programação e dos conceitos até o preparo para o mercado de trabalho.

Pensando nisso, a Anhanguera conta com as seguintes disciplinas:

  • Análise Estruturada de Sistemas;
  • Direito e Legislação;
  • Estrutura de Dados;
  • Desenvolvimento de Software Seguro;
  • Fundamentos de Redes de Computadores;
  • Laboratório de Programação;
  • Matemática Aplicada à Informática;
  • Programação e Design para Web;
  • Sistemas de Banco de Dados.

Quanto tempo leva para me formar?

Lembra quando falamos que o curso é um Tecnólogo? Uma das propostas desse formato é a curta duração. Isso significa que você pega o diploma em mãos após 2 anos e meio, aproximando-se mais das oportunidades do mercado de trabalho.

Como vimos na grade curricular, a formação é totalmente focada na atuação do analista de sistemas. O futuro profissional aprende as principais técnicas, metodologias e ferramentas para se desenvolver. Em outras palavras, não deixa de ser menos completa por causa da curta duração.

Quais são as modalidades disponíveis?

Se a ideia de ter uma formação focada no mercado, que favorece a sua empregabilidade, já parece interessante, este benefício pode ser ainda melhor. Um dos diferenciais da graduação de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Anhanguera é a oferta em 3 modalidades de ensino. São elas:

  • presencial: essa é a mais conhecida, em que você comparece ao campus todos os dias, de acordo com o turno escolhido. Lá, assiste às aulas, interage com professores e colegas, aproveita a infraestrutura etc.;
  • semipresencial: nessa modalidade EAD, a sua presença é necessária de uma a 3 vezes por semana na faculdade para trabalhos e aulas. O restante das disciplinas são vistas na sala de aula virtual, no AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem);
  • 100% online: já quem tem menos tempo no dia e quer estudar mesmo assim tem a opção de cursar Análise e Desenvolvimento de Sistemas totalmente via internet. Nesse cenário, só vai à faculdade para realizar provas poucas vezes no ano.

Você pode escolher aquela que mais combina com o seu perfil e atende às suas necessidades. Em vez de se adaptar às condições propostas pela faculdade, já dá início à graduação sabendo como será sua rotina de estudos. A flexibilidade e a autonomia das duas modalidades de EAD são as maiores vantagens que podemos destacar.

Pense só: se você já trabalha e não se imagina indo à faculdade durante a semana, o EAD é ideal. Dessa forma, pode se dedicar com muito mais disposição naqueles horários livres. Também dá para acessar os conteúdos a partir do dispositivo que tiver: computador, tablet, celular e assim por diante.

Qual é o perfil ideal do graduando?

O interesse pelas tecnologias é uma característica comum das pessoas que escolhem uma entre as carreiras em TI. Se você é uma delas e está considerando o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, saiba que não para por aí. A sede pelo conhecimento também faz parte do perfil ideal do graduando. E você consegue pensar no motivo?

Por conta da transformação digital, as tecnologias tendem a evoluir a cada minuto. Então, o que você sabe hoje sobre uma linguagem de programação ou uma metodologia de atuação pode se reformular em pouco tempo. O hábito de ler sobre o assunto, pesquisar e buscar qualquer forma de atualização é essencial.

Nesse sentido, a adaptabilidade entra em cena. Profissionais que insistem nas mesmas soluções e não buscam essas tendências naturalmente ficam para trás. Em uma profissão como essa, não dá para ser tão engessado assim, certo?

A familiaridade com a Matemática também é importante. Isso não quer dizer que você precisa ser um talento nato nessa disciplina, mas que as noções tornam a sua trajetória profissional bem mais simples. A lógica de programação aproveita alguns conceitos para a solução de problemas, por exemplo.

Aprender inglês ajuda bastante para muito além da conquista de vagas em multinacionais ou empresas no exterior. Pense na sintaxe das linguagens de programação: não dá para fazer códigos sem “if”, “for”, “else” e por aí vai, certo? Isso sem falar que as documentações estarão nesse idioma — e se você o entende, a rotina se torna bem mais fácil.

Além das bibliotecas, vários materiais sobre inovações e atualizações das tecnologias são produzidos em inglês. Agora imagina esperar semanas ou meses por uma tradução! Seus concorrentes e até colegas de turma que dominam o idioma podem ganhar vantagem competitiva, certo?

Outras habilidades que ajudam na graduação e são ainda mais importantes no mercado de desenvolvimento de sistemas incluem:

  • trabalho em equipe;
  • visão analítica;
  • criatividade;
  • boa comunicação interpessoal;
  • proatividade;
  • organização;
  • foco e determinação.

Desenvolvendo seu perfil profissional na Anhanguera

Se você não se sente expert nessas habilidades ou competências, saiba que nem tudo está perdido. Quando você escolhe uma faculdade que se preocupa integralmente com a sua formação acadêmica, consegue desenvolvê-las durante o curso. Aqui na Anhanguera, a grade curricular é preparada justamente para isso.

Sem falar nas Habilidades Digitais. Com base em estudos da McKinsey & Company e LinkedIn Top 25 Skills 2019, preparamos Estudos Dirigidos (EDs) para que nossos alunos desenvolvam as principais competências que o mercado espera dos profissionais hoje. Os EDs ficam disponíveis todo semestre gratuitamente.

Tem curiosidade em saber mais e já se preparar para o que encontra no curso da Anhanguera? Então, veja só este vídeo que preparamos:

O mercado da profissão tem potencial?

Segundo a PageGroup, entre os 9 profissionais de TI com maior procura no mercado brasileiro está o responsável por sistemas. Só por esse dado já é possível notar que a demanda por esses especialistas é crescente. Afinal, principalmente as empresas com foco em software não sobrevivem sem eles.

Mesmo diante de crises que muitos segmentos enfrentam, o mercado de TI não deve sofrer tanto. Os dados da IDC Brasil projetam um crescimento de 5,8% em 2020, em especial devido às soluções em nuvem e de software. No setor corporativo, essa ampliação será de 7,6%.

Mesmo diante desses dados, ainda não há profissionais qualificados o suficiente para atender a essas necessidades do mercado. Por isso, muitos gestores enfrentam dificuldade ao recrutar talentos — e mantê-los em suas equipes, tendo em vista o número de ofertas que recebem a todo momento.

O relatório setorial de TIC (ou seja, tecnologias de informação e telecomunicações) da Brasscom já adianta: até 2024, 70 mil profissionais de TI serão requisitados por ano. É um número impressionante, não acha? Ainda mais tendo em vista que somente 46 mil estudantes se formam no ensino superior.

Em outras palavras, o mercado tem mesmo potencial. Ao escolher essa profissão para chamar de sua, certamente não vai faltar oportunidade para conquistar um espaço nas empresas — ainda mais quando tem no currículo a aprovação de uma faculdade de renome, com qualidade garantida.

Já pensou ter uma cartela de opções em mãos e ficar indeciso entre qual cargo escolher? Imagine só ver empresas disputando a sua atenção com vagas alinhadas ao seu perfil, benefícios e remunerações atrativas? Essa pode ser a sua vida profissional em pouco tempo. Basta escolher o Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Anhanguera.

Como é o salário de um analista de sistemas?

Agora você sabe que tem bastante espaço para esse profissional no mercado nacional e fora do país também. Nada melhor que conhecer o salário do analista de desenvolvimento de sistemas por aqui, certo? Em média, esse valor se encontra nos R$ 5.593,23*, de acordo com os dados do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Se pensa que já é um número atrativo, imagina só chegar no teto de R$ 12.379,75*. Nada mal, não é mesmo? Pois saiba que isso é possível quando você investe em uma formação de qualidade e na atualização constante. Dependendo do estado, esses valores sofrem algumas alterações. Veja alguns exemplos:

  • São Paulo: R$ 6.185,18*;
  • Rio de Janeiro: R$ 5.796,82*;
  • Distrito Federal: R$ 5.969,92*;
  • Minas Gerais: R$ 4.772,16*;
  • Mato Grosso: R$ 4.635,05*.

Em diferentes segmentos de empresas em que você escolher atuar, também percebe salários médios variantes:

  • consultoria em gestão empresarial: R$ 5.835,58*;
  • escritório e apoio administrativo: R$ 6.010,54*;
  • bancos com carteira comercial: R$ 7.055,03*.

Para ter ganhos ainda mais expressivos, vale a mesma dica de investir em qualificação. Além da graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Anhanguera, é possível fazer cursos livres, especializações e assim por diante. Participar de eventos da área também ajuda a ampliar seu networking e conhecimentos.

Cuide para que seu currículo esteja sempre atualizado com essas informações e marque presença nas redes sociais. Nada melhor do que reforçar a sua imagem profissional, compartilhar informações sobre a sua área de atuação e tornar-se referência nela, não acha?

Com o que eu posso trabalhar?

Uma das vantagens de quem escolhe trabalhar com Desenvolvimento são os amplos espaços de atuação no mercado. Além das empresas de tecnologia, que costumam requisitar profissionais de diferentes segmentos, você ainda pode trabalhar em:

  • ONGs (Organizações Não Governamentais);
  • bancos e organizações para soluções financeiras;
  • instituições de ensino;
  • empresas SaaS, ou seja, que trabalham com software e sistemas como prestação de serviços;
  • pesquisa acadêmica e para empresas ou institutos;
  • comércio ou indústria;
  • consultorias.

Inclusive, novas formas de trabalho surgiram com apoio nas tecnologias e podem se beneficiar do conhecimento técnico dos analistas de sistemas. É o caso das fintechs, das foodtechs e assim por diante. Outros modelos de startup também buscam constantemente novos profissionais para cuidar de seus produtos.

A carreira em Análise e Desenvolvimento de Sistemas também engloba as possibilidades que vimos: DevOps, Mobile, Web e Back-End. Essas funções tão requisitadas no mercado tendem a crescer diante das necessidades dos consumidores, novos hábitos de consumo e da preocupação constante com a experiência dos usuários.

Você pode encontrar vagas em diversos segmentos que apresentamos no Canal Conecta. Nesse parceiro exclusivo da Anhanguera, nossos alunos têm dicas para entrevistas de emprego e acesso a oportunidades de emprego e estágio — tudo isso de acordo com o perfil profissional deles.

Tendências nas quais ficar de olho

Na busca pelo destaque no mercado e vantagem competitiva, é importante se atualizar constantemente, como vimos. Nesse sentido, antecipar-se às tendências da área deve entrar na lista de prioridades. Assim, conseguirá se adaptar a possíveis transformações e mostrar mais valor às empresas.

Listamos algumas a seguir!

Adequações à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em 2020, mas prorrogou alguns prazos para que as empresas não tenham que arcar com multas por falta de adequação. Essa legislação é baseada na prima europeia, GDPR (General Data Protection Regulation), e tem como intenção garantir a propriedade dos próprios dados pessoais ao consumidor.

Isso quer dizer que as empresas precisam pedir autorização às pessoas para usar, armazenar ou manipular informações sobre elas. Para não gerar dúvidas, o conceito de dados pessoais foi confirmado e até os arquivos físicos das organizações precisam seguir essas regras.

Os analistas de sistemas serão os profissionais a ditarem os caminhos adequados às companhias. Devem designar quem controla e opera esses dados, organizar as ferramentas para que contenham os termos de consentimento na captura de informações e assim por diante.

Hyperautomation

Se você já achava que a automatização do TI era uma realidade, saiba que esse conceito foi além. No hyperautomation, as pessoas estão no centro da busca por processos mais ágeis e eficientes. Para colocar essa ideia em prática, utilizam-se recursos da Inteligência Artificial e Machine Learning.

Os bots de voz e comunicação são um bom exemplo desse uso para as empresas. Com o reforço do chamado Robotic Process Automation (RPA), será possível reduzir custos de até 30% até 2024 — o que faz os olhos dos gestores brilharem, não é mesmo? O desenvolvedor de sistemas ganha ainda mais destaque para as equipes de TI com essa demanda.

Digital First

Vendo tantos benefícios da tecnologia, as empresas tendem a procurar novas soluções digitais nas quais investir e, como consequência, crescer exponencialmente. Em especial agora que o home office se tornou uma realidade até para organizações que nunca pensaram na possibilidade, é necessário realizar adequações constantes.

No radar dos profissionais de TI responsáveis por essa área estarão tecnologias de cloud, segurança e comunicação. Tudo isso para que os colaboradores possam trabalhar de casa, atendendo mais rápido às demandas e sem gargalos na interação com clientes e fornecedores.

Como é o mercado exterior?

Além de todas essas oportunidades para desenvolver a carreira no Brasil, nos diferentes estados, o mercado externo também está bem aquecido. Muitos profissionais optam por deixar o país e arriscar um novo emprego na tecnologia. Entre as nações que costumam buscar especialistas brasileiros estão a Alemanha, a Polônia, a Suécia, o Canadá e Portugal.

Os Estados Unidos são um dos destinos líderes de preferência entre esses profissionais de TI. Muito disso se deve às possibilidades de receber salários mais atrativos, em outra moeda, e até contribuir para o surgimento de novas tecnologias.

Diante desse cenário, a Boston Consulting Group (BCG) fez uma pesquisa e descobriu que 87% dos profissionais de tecnologia do Brasil estão dispostos a trabalhar em outros países. Só os EUA são preferência de 63% deles.

Quando se fala em remuneração, só para você ter ideia, o Canadá está pagando a média de 82 mil dólares canadenses anuais para quem deseja trabalhar com TI no país. E sabe qual é o caminho mais fácil de conseguir esse tipo de oportunidade? Investindo pesado na qualificação — a começar pela graduação.

Ainda há mais uma alternativa relacionada com mercado externo. Algumas organizações estrangeiras buscam profissionais para trabalho remoto, às vezes na modalidade freelancer. Dependendo, é possível receber na moeda do país, o que é bem rentável quando você faz a conversão, não acha? É a prática ideal para quem deseja os benefícios de atuar em uma companhia de fora, mas sem sair do Brasil.

A instituição de ensino é muito importante nesse trajeto!

Com tantas informações, deu para entender se o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas é o que você precisa para? Certamente, quem se identifica com as áreas da tecnologia pode aprimorar suas habilidades e até mudar os rumos de sua vida com essa escolha. Se esse for o seu caso, só não deixe de procurar uma faculdade parceira e com a qualidade exigida para a sua formação!

Então, fica nosso convite para conhecer as formas de ingresso aqui na Anhanguera. Conheça as opções de vestibular e faça já a sua inscrição para o curso!

*Sujeito a alteração

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 5

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.