Você sabe qual é o salário do engenheiro elétrico? Veja aqui

engenheiro elétrico

O salário de engenheiro elétrico é um dos mais robustos das carreiras de ensino superior, estando entre as engenharias mais bem-pagas. Não à toa, a disciplina é a escolha de muitos estudantes que desejam melhores condições de emprego e renda.

Outra característica é a diversidade de potenciais empregadores. Empresas de telecomunicação, empreiteiras, concessionárias de energia elétrica e secretarias de infraestrutura dos estados e municípios são exemplos dos possíveis contratantes.

Então, se você já tem interesse no seguimento e quer se aprofundar um pouco mais antes de escolher o curso, continue a leitura. O conteúdo aborda as principais características e oportunidades para os engenheiros eletricistas!

O que faz o engenheiro elétrico?

A carreira promissora de engenheiro elétrico está muito ligada à essencialidade dos serviços. Para fazer chegar energia elétrica às pessoas, existe toda uma cadeia de valor, que vai desde a produção de equipamentos, materiais, circuitos e insumos até a instalação do sistema interno no estabelecimento ou na residência do contratante.

Igualmente, existem áreas tão relevantes quanto o setor energético que também se utilizam dos conhecimentos sobre energias em suas atividades, como telecomunicações e computação. Com efeito, assim como acontece com o engenheiro civil, a formação generalista abre inúmeras oportunidades profissionais.

Nesse sentido, o engenheiro eletricista é o profissional que detém as competências necessárias para estudar, projetar e especificar a tecnologia, os sistemas, os produtos e os serviços relacionados a eletricidade. É quem entende a transmissão de energia e os componentes de que ela necessita para funcionar.

Para exercer plenamente a profissão, é exigido o curso de Engenharia Elétrica e o registro no Conselho Regional de Energia e Agronomia (CREA). Logo, você não deve confundir o Bacharelado com o curso técnico, que habilita apenas para tarefas de menor complexidade e realização de reparos.

Onde ele pode atuar?

Vimos que os sistemas elétricos são essenciais para sociedade, pois, além da distribuição de energia, áreas importantes, como Tecnologia da Informação e telecomunicações, dependem dos conhecimentos de Engenharia Elétrica. Perceba, portanto, a quantidade de possibilidades de atuação para o profissional qualificado:

  • telecomunicação;
  • companhias elétricas;
  • consultorias;
  • construtoras e empreiteiras;
  • perícia judicial;
  • empresas de pesquisa científica e tecnológica;
  • indústrias de equipamentos elétricos;
  • automação e robótica;
  • órgãos públicos de infraestrutura;
  • empresas de energias renováveis.

Nessas organizações, o engenheiro eletricista tanto pode atuar em setores mais ligados a planejamento e gestão como pode colocar a mão na massa e atuar diretamente com os dispositivos elétricos. Veja algumas das atribuições adaptadas do Cadastro Brasileiro de Ocupações (CBO nº 2143):

executar serviços elétricos, eletrônicos e de telecomunicações;

analisar propostas técnicas;

instalar, configurar e inspecionar sistemas e equipamentos;

executar testes e ensaios;

projetar, planejar e especificar sistemas e equipamentos elétricos, eletrônicos e de telecomunicações;

elaborar a documentação técnica;

coordenar empreendimentos e estudar processos elétricos, eletrônicos e de telecomunicações.

Tais funções podem ser exercidas nos setores público e privado. Na carreira pública, via de regra, é necessário passar em concurso público, mas tem como contrapartida a possibilidade de conquistar a estabilidade no emprego, que impede a demissão.

Qual é o salário médio de engenheiro elétrico?

O salário de engenheiro elétrico é de R$ 8.216,85, considerando a média dos vencimentos registrados no CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) até janeiro de 2020. Os rendimentos são obtidos em uma jornada de trabalho que, em média, tem 41 horas semanais — sendo bastante positivos se comparados com os de outras áreas.

Os números foram extraídos por meio da plataforma Salário, considerando uma amostra de 2.964 profissionais com carteira assinada.

Já o Guia de Salarial da Michael Page traz as faixas salariais nos diferentes estágios da carreira:

  • engenheiro eletricista júnior — R$ 4.800 a R$ 6.500;
  • engenheiro eletricista pleno — R$ 5.400 a R$ 8.000;
  • engenheiro eletricista sênior — R$ 6.300 a R$ 9.000;
  • engenheiro eletricista coordenador — R$ 7.500 a R$ 10.500.

Nível de experiências, qualificação profissional, segmento de mercado e porte da empresa contratante são fatores que influenciam a remuneração. Vale ressaltar que, segundo os dados do CAGED, os maiores salários estão nos setores de geração e transmissão de energia. Neles, a média salarial de engenheiro é de R$ 12.342,05 e R$ 12.164,82, respectivamente.

Por sua vez, em relação aos concursos públicos, não existe um valor exato de quanto ganha um engenheiro elétrico. Os principais contratantes têm diferentes portes e estruturas de serviços. Veja alguns exemplos de concursos abertos recentemente e o respectivo salário de engenheiro elétrico:

Vale ressaltar que, nos dados extraídos da plataforma Salário, o salário médio de engenheiro elétrico concursado foi de R$ 5.704. O número oferece algum parâmetro, embora a amostragem seja pequena, com cerca de 10 vencimentos registrados.

Como potencializar os ganhos nessa profissão?

A valorização dos serviços profissionais dizem respeito à exclusividade da oferta. Quanto menos pessoas forem capazes de entregar as mesmas competências e resultados aos empregadores, maior será a empregabilidade e o salário de engenheiro elétrico.

As boas práticas de qualificação profissional começam desde a faculdade. Aqui na Anhanguera, os alunos podem concorrer a vagas de emprego e estágio por meio do Canal Conecta, que é um benefício exclusivo. Logo, ainda na graduação, é possível aliar teoria e prática, recebendo a orientação de profissionais da área e observando o trabalho dos mais experientes.

Outro ponto determinante para aliar teoria e prática é a infraestrutura da faculdade. Os investimentos em laboratórios para experimentação estimulam e facilitam o aprendizado, especialmente com os softwares do segmento, que permitem testes e simulações dos sistemas montados pelo graduando.

A preocupação com a qualidade do ensino também é bastante acentuada. Não à toa, além da modalidade de ensino presencial, o curso pode ser feito na semipresencial, flexibilizando os horários, de modo que a frequência à faculdade ocorre uma ou duas vezes por semana. Assim, mesmo quem trabalha e estuda tem boas condições para se organizar e não perder nenhuma aula.

Além da escolha de uma faculdade de referência e com toda a infraestrutura adequada para uma excelente formação, outras dicas são relevantes para aumentar os ganhos nessa carreira. Veja mais a seguir.

Torne-se uma referência na área

O diploma da Anhanguera também será importante para você firmar o nome no mercado de trabalho, principalmente com um currículo atraente aos recrutadores. É que, no primeiro emprego, geralmente não temos muitas experiências para colocar no currículo; então, o reconhecimento da faculdade é o que mais contará para se diferenciar dos concorrentes.

Tenha uma especialização

Posteriormente, é possível considerar uma pós-graduação. Diferentemente do curso técnico, o diploma de ensino superior permite a continuidade dos estudos. E, como mostra estudo da Catho, a especialização gera um aumento salarial, em média, de 47, 5% para graduados.

Preste concurso público

Alternativamente, você pode buscar as carreiras no setor público. Aqui, o segredo é ficar atento aos editais para participar dos melhores certames, bem como se preparar com antecedência. No caso dos alunos da Anhanguera, existe uma parceria com a rede LFG, especializada na formação para concursos, para facilitar o acesso aos cursos preparatórios com descontos.

Desenvolva competências digitais

Por fim, é importante ficar atento à transformação digital das engenharias. Além de usar ao máximo a infraestrutura do polo de ensino, procure manter-se atualizado depois da graduação, pois a tecnologia evolui rapidamente, e ficar parado pode gerar graves consequências.

Sendo assim, as dicas para melhorar o salário de engenheiro elétrico podem ser resumidas em buscar qualificação profissional. Inicialmente, é preciso investir em uma boa faculdade para ter o diploma reconhecido e as competências necessárias à carreira. Depois, continue os estudos para concursos ou faça especializações, sempre ficando por dentro das tecnologias do segmento.

Se quiser conhecer outras profissões e comparar as médias salariais, acesse nosso texto “Quais são as profissões mais bem-pagas do Brasil”!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.