5 motivos para trabalhar com Fisioterapia Esportiva

profissional de fisioterapia esportiva

Que a Fisioterapia é uma das melhores profissões na área de saúde, muita gente já sabe. Porém, é possível segmentar a atuação e obter ainda mais sucesso profissional ao trabalhar com Fisioterapia Esportiva, por exemplo. Você conhece ou tem vontade de construir carreira nessa área?

Se deseja saber tudo sobre Fisioterapia Esportiva, está no lugar certo! A seguir vamos explicar os 5 principais motivos de se especializar nessa profissão.

Vale ressaltar que esse é um ramo reconhecido pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) desde 2007 e vem ganhando visibilidade desde então — o que proporciona bons níveis de empregabilidade. Vamos começar?

Importância da área no tratamento de atletas

O primeiro motivo para escolher a Fisioterapia Esportiva é a sua relevância no mundo dos esportes. Com o avanço da tecnologia e da ciência, descobriram que é possível otimizar consideravelmente o desempenho de atletas e de equipes inteiras com preparo, prevenção e tratamento fisioterapêutico.

Dessa forma, a Fisioterapia Esportiva foca todo o processo esportivo de um praticante profissional ou amador. O fisioterapeuta responsável vai preparar a pessoa de modo que sejam prevenidos possíveis lesões, dores e outros problemas decorrentes da prática esportiva.

O fisioterapeuta esportivo consegue identificar, dentro de cada modalidade, quais são os desgastes em potencial das articulações, dos ligamentos e dos tecidos musculares, por exemplo. Assim, vai proporcionar não só uma performance mais segura e promissora ao atleta, como dará o melhor tratamento, recuperação e reabilitação no caso de ocorrer algum imprevisto durante as práticas.

Com o acompanhamento profissional, o atleta também vai desenvolver sua coordenação, força, dinâmica, flexibilidade, resistência muscular, velocidade, mobilidade, entre outros aspectos essenciais para resultados melhores no seu dia a dia de treinos e de competições.

Crescimento do mercado

O motivo anterior já aponta para o segundo fator a ser considerado: o crescimento do mercado para o fisioterapeuta, em especial o esportivo. Isso acontece porque as pessoas estão se preocupando cada vez mais com saúde e qualidade de vida. Logo, encontram nas atividades físicas e nos esportes uma maneira de conquistar esse bem-estar.

O que gera uma alta no campo de atuação é a procura crescente por acompanhamento especializado. Assim, tanto atletas profissionais quanto amadores reconhecem a importância do profissional capacitado não só para tratar, como para prevenir quaisquer problemas físicos. Consequentemente, essa preocupação e conscientização otimizam a prática esportiva e ainda prolongam seus efeitos benéficos.

Outro fator que contribuiu bastante com o crescimento do mercado fisioterapêutico no segmento esportivo foi um cenário favorável à promoção de eventos de grande porte no país.

Podemos citar a Copa do Mundo (2014) e os Jogos Olímpicos (2016) como ótimos exemplos da ampliação da empregabilidade da área desses anos para cá. Para ter uma ideia, hoje um fisioterapeuta esportivo ganha um salário médio de R$ 3.109,53*, com um teto salarial de R$ 7.283,64*.

Amplos segmentos de atuação

Com um mercado aquecido, é natural que as oportunidades sejam maiores (e melhores) para quem investe no curso de Fisioterapia e decide se enveredar pelo segmento esportivo. O profissional habilitado vai poder atuar não só em clubes e equipes, mas em campeonatos e competições, em academias, por meio de concurso e até mesmo a domicílio ou em consultório particular.

O fisioterapeuta esportivo é cada vez mais requisitado e valorizado nesse meio justamente por fazer parte de um propósito maior, que envolve não só o desempenho de atletas, mas seu bem-estar físico e até mesmo mental. Por isso, é válido destacar que, na maioria das vezes, ele vai trabalhar em conjunto com outros profissionais, formando uma equipe multidisciplinar: médicos, psicólogos, educadores físicos, nutricionistas etc.

De modo geral, essa carreira pode se desdobrar em contextos de saúde, esporte e lazer, fazendo com que o profissional tenha mais oportunidades de posicionamento no mercado.

Então, não se preocupe em relação a isso, pois a Fisioterapia Esportiva está presente desde as práticas mais simples, como musculação, caminhada ou corrida para iniciantes, até as mais complexas, como desempenho em natação olímpica, futebol, atletismo, entre outros esportes.

Facilidade de acesso ao curso superior

Por ser uma área de atuação estratégica e que envolve a saúde das pessoas, para trabalhar com Fisioterapia Esportiva, é necessário ingressar no ensino superior e ter uma formação de qualidade. Atualmente, muitas instituições confiáveis ofertam o curso e facilitam o acesso aos estudos.

Aqui na Anhanguera, ofertamos diversas formas de ingresso, como o financiamento estudantil. Assim, o curso de Fisioterapia deixa de ser apenas um sonho e passa a ser a realidade de nossos estudantes. Ainda temos a preocupação de guiar o formando às vagas de emprego e estágio por meio do Canal Conecta — uma parceria exclusiva.

Em relação à graduação, é importante explicar que a Fisioterapia vai dar ao estudante um embasamento teórico e prático completo. Isso significa que você não vai apenas ver a Fisioterapia Esportiva, mas outras formas de atuação, das mais tradicionais, como a clínica, às mais modernas, a exemplo da dermatofuncional.

O melhor disso tudo é que o graduando consegue ter uma visão ampla da sua profissão e, assim, poderá se especializar com mais segurança e propriedade na Fisioterapia Esportiva. As disciplinas do curso são sempre abrangentes, da Anatomia à Fisiologia e Recursos Terapêuticos. Porém, o fisioterapeuta precisa considerar uma formação continuada.

Outra vantagem da Anhanguera é que disponibilizamos o curso nas modalidades de ensino presencial ou semipresencial (esta última é excelente para quem precisa de mais flexibilidade na rotina de estudos).

Relevância da formação contínua

O que isso quer dizer? Por mais que você escolha uma instituição de ensino de qualidade, como a Anhanguera, a sua capacitação profissional deverá continuar mesmo após a finalização do curso e a entrega do diploma. As especializações em nichos específicos são interessantes e, por ser uma área da saúde, a Fisioterapia está sempre com novos estudos, pesquisas e tendências.

Portanto, se você gosta da área e quer ser um profissional do campo esportivo, também precisa escolher qual será a sua especialidade dentro da Fisioterapia Esportiva.

Afinal de contas, deverá conhecer a fundo o esporte em questão e buscar mais informações para atuar com excelência no segmento. Um atleta que quer aumentar seu desempenho em uma maratona, por exemplo, vai procurar um fisioterapeuta que já tenha experiência em corrida, certo? Essa é a ideia!

Depois de saber o que é Fisioterapia Esportiva e quais são os principais motivos para escolher essa profissão, você deve ter ficado com muita vontade de conhecer mais sobre o dia a dia do curso e da rotina de trabalho de um fisioterapeuta formado, não é mesmo? Então, que tal escolher uma faculdade que alinhe suas expectativas às reais configurações do mercado?

Se gostou da ideia, não deixe de se inscrever no vestibular da Anhanguera e começar a construir a sua carreira na Fisioterapia Esportiva hoje mesmo!

* Valores sujeitos a alteração.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content