Organização financeira: guia para ir do negativo à estabilidade financeira

organização financeira

Não importa se os seus planos são simples ou ambiciosos. Boa parte deles demanda investimentos que só se tornam possíveis com dinheiro na mão. Por conta disso, é fundamental adotar estratégias que facilitem o controle dos gastos e promovam maior organização financeira.

vários caminhos seguros para alcançar a estabilidade e uma vida equilibrada. Alguns exigem maior esforço, outros dependem apenas da adoção de novas ferramentas. De qualquer forma, é importante estar disposto a mudar hábitos para consumir com consciência sem precisar abrir mão do conforto.

Que tal planejar esse processo com as dicas do nosso guia? Listamos diferentes práticas para ajudar você a usar seus recursos de forma inteligente. Acompanhe e saiba por onde começar!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Quitar as dívidas

Ter saldo positivo todos os meses é o desejo de muita gente. Afinal, tal condição não só permite conquistar uma série de coisas, como também elimina diversas preocupações. O primeiro passo para atingir esse objetivo é repensar a forma como você consome.

Se o cartão de crédito está presente em boa parte das suas compras, tome cuidado. Ele traz a falsa sensação de que há uma grande quantia extra na sua conta. Como consequência, faz com que você se sinta à vontade para gastar mais e acumular dívidas.

Portanto, antes de pensar em como guardar dinheiro, procure formas de quitar os valores devidos. Faça um levantamento de todas as contas a serem pagas e, se for preciso, renegocie os pagamentos. Esse é o primeiro passo para limpar seu nome.

Lembre-se de que estar inadimplente é uma situação chata e pode causar constrangimento no seu dia a dia. Inclusive, dificulta o acesso ao crédito necessário para fazer financiamentos ou para adquirir diferentes produtos.

Eliminar custos supérfluos

Alguns limites são fundamentais para ter uma boa organização financeira. Isso não quer dizer que você precisará deixar de fazer o que gosta ou desistir de coisas que considera importantes. A proposta é começar cortando gastos supérfluos para tornar tudo mais fácil.

Esse tipo de despesa representa algo dispensável na sua vida ou em determinado momento. Um bom exemplo é aquela roupa desejada apenas por ser tendência. Será que você realmente precisa dela? Ela faz seu estilo? Se sim, por que não aguardar mais um tempo para comprar e pagar menos?

O segredo é não tomar decisões por impulso. Assim, sempre que pensar em contratar um serviço ou adquirir determinado produto, questione e reflita. Com relação aos custos que você não pretende eliminar, verifique a possibilidade de reduzi-los, como é o caso de:

  • plano de telefonia — substituir por um mais econômico;
  • mensalidade da academia — negocie o valor para pagar apenas as modalidades praticadas;
  • pacote de TV por assinatura — mantenha somente os canais que você assiste ou troque a opção por um serviço de streaming.

Manter um estilo de vida compatível aos ganhos

Mudar a relação com o dinheiro é mais fácil quando você consegue se inspirar em pessoas próximas. Assim, se divide as contas da casa com os amigos ou familiares, é essencial que todos se conscientizem sobre a importância da economia.

Quem divide o lar e compartilha a rotina com um parceiro, por exemplo, precisa respeitar a média salarial de ambos ao pagar as despesas domésticas e na hora de planejar o lazer. O ideal é manter um estilo de vida compatível aos ganhos para proteger as finanças do casal.

Se os valores recebidos por mês permitem jantar fora a cada 15 dias, não dá para tentar fazer isso todos os finais de semana. Em algum momento, o excesso de gastos pesará no bolso e fará com que o casal tenha problemas financeiros.

Planejar é a chave para evitar incômodos. Com esse cuidado você terá condições de fazer seus programas preferidos, frequentar lugares interessantes e ter ótimas experiências. O objetivo é sempre gastar menos do que ganha, esteja sozinho ou acompanhado.

Investir em conhecimento e educação formal

O tema organização financeira ainda é pouco explorado nas escolas e no cotidiano das famílias. Isso explica por que tantas pessoas crescem sem ter contato com as principais práticas que levam ao equilíbrio. Então, o ideal é que você vá além dos ensinamentos recebidos até hoje.

Com a popularidade dos conteúdos em forma de textos, vídeos e até áudios, ficou fácil ter acesso a materiais relacionados à educação financeira. Em uma rápida pesquisa na internet você encontra blogs, videoaulas e podcasts completos sobre o assunto.

Profissionais da área de finanças também compartilham seus ensinamentos por meio de cursos pagos ou gratuitos. Vale a pena acompanhar alguns nomes e aproveitar as dicas de pessoas com as quais você se identifica.

Se possível, converse com quem entende de economia financeira ou já passou pela experiência de retomar o controle sobre o próprio dinheiro. Esse diálogo pode render bons aprendizados e servir de referência para que você consiga mudar hábitos.

Criar metas para usar o dinheiro

É normal precisar de estímulos positivos para seguir determinado plano. Por isso, se você tem dificuldades para organizar as finanças, que tal se apoiar em metas de curto, médio e longo prazo? A satisfação em cumprir cada uma delas trará motivação para obter novas conquistas.

O ideal é categorizar seus objetivos de acordo com a prioridade e com o tempo necessário para atingi-los. Seja realista nesse processo, afinal, determinadas coisas demandam maior esforço e planejamento que outras. Tal postura evitará todo tipo de frustração.

Quer alguns exemplos de metas para adaptar à sua realidade? Veja só:

  • curto prazo — planejar uma festa (aniversário ou celebração), comprar material de estudo, custear um procedimento estético ou um tratamento de saúde;
  • médio prazo — trocar um móvel ou equipamento antigo, fazer um curso de curta duração, realizar uma viagem;
  • longo prazo — pagar a faculdade, fazer um intercâmbio, comprar um imóvel, planejar a aposentadoria.

Com base nessas definições é que você poderá prever o montante necessário para bater as metas. Então, avalie o que é importante em cada momento e respeite os valores recebidos a partir de todas as suas fontes de renda. Assim, saberá quanto economizar por mês para viver sem preocupações.

Conhecer e registrar as despesas

Já parou para observar onde você aplica cada centavo da sua renda? Por incrível que pareça, muitas pessoas não fazem esse acompanhamento por acharem que o controle mental é suficiente. Acontece que pequenos gastos tendem a passar despercebidos e se concentrar em altos valores.

Você precisa conhecer todas as suas despesas se quiser que o planejamento financeiro dê certo. Para isso, é crucial registrá-las em um local de fácil visualização. Em uma planilha, por exemplo, é possível anotar tanto os valores das contas fixas quanto os dos gastos esporádicos.

Faça o exercício diariamente para não deixar nada escapar da sua análise. Inclua as despesas mensais (luz, água e internet), o dinheiro usado na farmácia, as compras feitas no supermercado, o valor do combustível a cada abastecimento do carro, a mensalidade de determinados estabelecimentos etc.

Também fique de olho em situações pouco recorrentes, como a compra de um novo aparelho ou a contratação de um serviço de reparo doméstico. Afinal, mesmo que não impactem o seu orçamento com frequência, eles utilizam um bom montante da sua renda.

Veja abaixo como organizar as finanças de forma prática:

  • guarde todos os recibos e comprovantes de pagamento em um local protegido;
  • utilize uma ferramenta própria para controlar as entradas e saídas de dinheiro;
  • envolva os familiares no planejamento financeiro, incluindo crianças e idosos;
  • separe um dia do mês para avaliar todos os gastos nos mínimos detalhes;
  • identifique itens que possam ser eliminados da sua lista de despesas;
  • atualize os valores da planilha assim que sofrerem alguma alteração;
  • discuta alternativas para cortar gastos antes de tomar uma decisão;
  • mantenha a planilha sempre com você usando apps de finanças.

Encontrar alternativas para pagar os estudos

Não deixe que a falta de dinheiro se torne impeditivo para você realizar cursos e obter novos aprendizados. O mercado exige capacitação constante para que os profissionais estejam preparados e possam atuar nas mais diversas áreas.

Mesmo que tenha colocado seu processo de organização financeira em prática, é possível contar com outros auxílios na hora de custear seus estudos. Para fazer uma graduação em instituições privadas, por exemplo, as bolsas e financiamentos específicos se tornam ótimos aliados.

Veja essas e outras alternativas disponíveis.

FIES

A sigla significa Fundo de Financiamento Estudantil e representa um programa do Ministério da Educação (MEC). Sua finalidade é permitir que estudantes matriculados em cursos não gratuitos consigam financiar a graduação no ensino superior.

Para pagar a faculdade com FIES, é necessário ter avaliação positiva em processos guiados pelo MEC. O programa é dividido em diversas modalidades, concedendo juro zero a determinados grupos e uma escala de financiamentos que varia de acordo com a renda familiar do aluno.

Prouni

O Programa Universidade para Todos foi criado em 2004 e fornece ajuda de custo para quem quer cursar graduação em instituições privadas. Ele é destinado a estudantes que ainda não têm diploma de nível superior e que cursaram o ensino médio na rede pública ou particular (com bolsa integral).

O candidato pode concorrer a bolsas de 50% ou até de 100%. Ou seja, mesmo que o estudante não consiga o valor inteiro, pode obter um bom desconto na mensalidade. É uma ótima notícia se você precisa poupar e queria saber como economizar na faculdade.

A seleção ocorre a partir das notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio. Portanto, vale a pena se preparar e mandar bem na prova do Enem. É preciso fazer pelo menos 450 pontos ou mais na média de todas as provas e não zerar a redação.

Candidatos a bolsas integrais devem ter renda familiar bruta mensal de até um salário mínimo e meio por pessoa. Para os candidatos a bolsas parciais, esse valor da renda deve ser equivalente a até três salários mínimos por pessoa.

Bolsa de estudo

Outras modalidades de bolsa podem ser concedidas por empresas, secretarias estaduais e até pelas próprias instituições de ensino superior. Logo, é importante se informar sobre essas oportunidades e encontrar a opção que melhor atenda às suas necessidades.

Saiba mais sobre as alternativas que podem contribuir para sua organização financeira:

  • ONGs e entidades filantrópicas — muitas avaliam candidatos com base em sua condição social para oferecer bolsas de estudos em diferentes faculdades;
  • Secretarias de Educação — alguns estados e municípios têm programas de bolsas para cursos particulares. Você pode procurar essas oportunidades nos sites oficiais das prefeituras;
  • instituições privadas — muitas faculdades mantêm seus próprios programas para bolsistas. Os critérios para a seleção variam de uma instituição para outra, sendo que muitas consideram a nota do Enem no processo;
  • empresas em geral — organizações que estabelecem parcerias com as faculdades também podem fornecer bolsas de estudo para seus funcionários. Se você trabalha em alguma companhia, verifique essa possibilidade com o setor de RH.

Financiamento estudantil

Mais uma estratégia bastante procurada por estudantes, o financiamento deve ser escolhido com cuidado. Para que o parcelamento da faculdade não se torne pesado, use como base a taxa de juros do FIES. Ela é considerada uma das mais baixas do mercado e pode ajudar nos comparativos.

Tenha em mente que nem todas as instituições aceitam financiamento estudantil. Além disso, dependendo da sua renda, você precisará de um fiador para solicitar esse tipo de empréstimo ao banco. O ideal é entrar em contato com algum representante da faculdade escolhida para tirar essas dúvidas.

Procurar oportunidades para fazer renda extra

Você pode sair do negativo mais rápido ao complementar seu salário. O dinheiro extra pode vir de diferentes trabalhos e até ajudar a conquistar a independência financeira. Portanto, pesquise as oportunidades na sua região ou escolha uma alternativa que tenha a ver com seu perfil.

Quer algumas ideias para começar? Veja a seguir as nossas sugestões para aumentar sua renda.

Estágio

Experiências profissionais são muito importantes para enriquecer seus aprendizados, mas podem ficar ainda melhores com uma remuneração. Assim, ao procurar uma vaga em determinada empresa ou instituição, verifique se a empresa está oferecendo bolsa estágio, ou seja,  pagamento pelas atividades realizadas.

Essa opção traz diversos benefícios. Além de poder colocar em prática o que aprendeu no curso, você ainda consegue fazer uma renda extra na faculdade. Em alguns casos, o local que fornece o estágio gosta tanto do trabalho desenvolvido que acaba contratando o estudante após sua formação.

Monitoria

Estudantes também têm encontrado formas de melhorar a organização financeira com trabalhos dentro da faculdade. Isso pode ser feito por meio de programas de monitoria focados em disciplinas específicas ou na administração de ambientes, como laboratórios e ateliês.

A remuneração para os estudantes responsáveis pelas monitorias varia de uma instituição para outra. De todo modo, é uma ótima forma de fazer um dinheiro extra e ter contato com diferentes aspectos da rotina acadêmica.

Venda de doces

Bombons, bolos de pote e outras delícias são muito fáceis de vender porque todo mundo gosta de algum tipo de doce. Então, se você tem talento com determinadas receitas, pode preparar quitutes para vender nos intervalos do expediente ou na forma de encomendas.

Quem estuda pode levar os doces até a instituição e oferecê-los aos colegas. Com o dinheiro obtido, é possível complementar a mensalidade da faculdade e investir em novas receitas. Apenas procure fazer uma pesquisa rápida para descobrir quais produtos são mais desejados.

Além disso, é importante se informar sobre possíveis regras para a venda de alimentos no ambiente de ensino. Muitos lugares não permitem a comercialização nos corredores internos, fazendo com que você precise se deslocar para as áreas externas.

Transporte de pessoas

Essa alternativa é interessante para quem tem veículo próprio e faz uso frequente do automóvel. Como você deve saber, o transporte de pessoas por intermédio de aplicativos ganha cada vez mais popularidade. Não é à toa que tanta gente aproveita a tendência para fazer uma renda extra.

Para entrar no grupo de condutores e ter sucesso com esse serviço, basta ter carteira de habilitação, um carro confortável e um smartphone. Outra possibilidade é oferecer caronas e cobrar por isso. A negociação pode ser feita em sites que fazem o contato entre motoristas e pessoas que precisam percorrer o mesmo trajeto.

Companhia para pets

É difícil encontrar uma residência que não tenha pelo menos um animal de estimação. Em alguns lares os pets já são tratados como membros da família, portanto, merecem atenção especial. O problema é que nem todas as pessoas têm tempo para brincar com os bichanos.

Nesses casos que o serviço de um cuidador (tutor temporário) pode ser bastante útil. Você pode aproveitar seu tempo livre para passear com cachorros, brincar com gatos ou alimentar aves e peixes. Donos que viajam por alguns dias também podem precisar de alguém para dar uma olhada no pet.

Quanto mais tempo você passar com os animais, mais dinheiro receberá. É uma das maneiras mais divertidas de começar a organização financeira, principalmente para quem é apaixonado pelos bichos.

Freelancer

Se o seu objetivo é obter uma grana esporádica para custear pequenas compras e proteger suas finanças pessoais, talvez os famosos freelas sejam boas apostas. Com a internet, ficou mais fácil oferecer e encontrar serviços nas mais diversas áreas.

Alguns sites e plataformas são especializados nesse tipo de trabalho e reúnem pessoas interessadas em todos os tipos de negócio. Também é possível pesquisar oportunidades diretamente nas redes sociais — em grupos do Facebook ou em postagens do LinkedIn, por exemplo.

Em todo caso, é importante escolher uma atividade com a qual você se identifique e tenha habilidade. Afinal, seus clientes precisam ficar satisfeitos para solicitar novos trabalhos ou indicar seu nome a outras pessoas. 

Veja alguns dos serviços mais comuns:

  • redação — se escrever textos é o seu forte, aproveite essa facilidade para produzir conteúdos de blogs e e-books. A dica é escolher assuntos que tenham a ver com a sua área de formação para manter seus conhecimentos atualizados;
  • revisão — correção de textos também é uma atividade com bastante procura. Empresas e profissionais estão cada vez mais exigentes e precisam de pessoas capazes de deixar suas produções perfeitas;
  • tradução — o domínio de outra língua pode ser vantajoso na hora de atuar como freela. Você pode traduzir livros, trabalhos acadêmicos, conteúdos digitais, entre outros materiais relevantes;
  • arte gráfica — gosta de manipular ferramentas para criar peças publicitárias, desenvolver identidade visual para marcas, editar fotos e outros arquivos? Não deixe de mostrar todo o seu talento e criatividade por meio do design.

Criar uma reserva de emergência

Os processos da organização financeira podem ser perfeitos. Ainda assim, você nunca sabe quando precisará lidar com uma situação inesperada. Um problema de saúde, um defeito no veículo ou um dano na estrutura da casa podem surgir a qualquer momento, sem aviso.

Dependendo do tipo de imprevisto, você terá que gastar uma boa quantia de dinheiro para colocar as coisas no lugar. A condição piora se não houver montante suficiente para custear todas as despesas urgentes, fazendo com que você contraia dívidas e realize empréstimos.

Uma boa forma de evitar surpresas e dor de cabeça é criar uma reserva de emergência. Esse valor deve permanecer guardado apenas para resolver pendências de última hora. Assim, sempre que tiver que enfrentar uma ocorrência inesperada, não precisará mexer em suas finanças.

O valor reservado pode ficar na poupança para render alguns juros e desestimular o saque constante. Além disso, o ideal é ter fundo suficiente para custear pelo menos três meses de despesas correntes. No futuro, parte do dinheiro guardado pode ser aplicado em investimentos seguros.

E já que temos falado de finanças e controle de despesas, considere a possibilidade de abrir uma conta universitária. As instituições bancárias tendem a conceder facilidades para quem é estudante, incluindo benefícios como ausência de taxas, saldo e extrato gratuitos pela internet, entre outros.

Para quem está na graduação ou pretende ingressar na faculdade, toda economia é bem-vinda. Então, agende uma conversa com representantes de diferentes bancos para encontrar a opção perfeita para o seu perfil.

Tudo pronto para colocar nossas orientações em prática e transformar a organização financeira em uma aliada? Tente aplicar as dicas de maneira simultânea porque todas têm vantagens específicas. Assim, você não terá mais que passar aperto e poderá planejar cada passo da sua rotina.

Se você curtiu este conteúdo e acredita que ele pode ajudar outras pessoas, compartilhe-o nas suas redes sociais!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Powered by Rock Convert

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.